E se os CDI’s funcionassem a energia nuclear?

4 03 2011

A ideia não é nova, mas quais seriam as vantagens?

Com um período de vida para a bateria estimado em cerca de 88 anos, pelo menos deixar nos-iamos de preocupar com a sua substituição a cada 10 anos. É de facto uma grande vantagem.

Mas e o progresso tecnológico? Isto faz-me lembrar os velhinhos Mercedes que por aí andam. Duram e duram, mas coitados, para além de consumirem muito, ficaram parados no tempo. Sem ar condicionado, vidros eléctricos, air-bag….

Bem, acho que continuo a preferir o meu CDI da última geração. A bateria, já tem o dobro da duração do meu primeiro, cerca de 11 anos, bluetooth, permite enviar a partir de casa informação acerca do seu estado. Só não dá ainda é para substituir o meu velhinho eTrex Legend (GPS da Garmin), mas estou ansioso por esse upgrade.

http://organicgrant.posterous.com/nuclear-pacemaker

Abaixo, podem ver algumas imagens relacionadas com CDI’s.

Anúncios




Dia Mundial do Ritmo Cardíaco

14 06 2009

 

Comemorou-se ontem o Dia Mundial do Ritmo Cardíaco em 10 hospitais do país. Esta iniciativa pretendeu, no âmbito da campanha Bate Bate Coração, sensibilizar a população em geral para os problemas de coração, focando as arritmias como a principal causa de morte em Portugal.

Voluntários

No Hosp. Distrital de Faro, a banca Bate Bate Coração contou com a preciosa ajuda de 5 voluntários, que estiveram todo o dia a distribuir panfletos e a esclarecer as pessoas sobre esta problemática. Foram distribuídos igualmente panfletos por várias zonas do hospital para ampliar a divulgação o mais possível.

Notou-se contudo, um completo desconhecimento e despreocupação pela parte da população em geral, verificando-se não haver, inclusive, vontade de aprofundar os conhecimentos nesta matéria. Muito trabalho há ainda a fazer para combater esta abstenção de informação.

As arritmias quando não estão propriamente diagnosticadas, podem se tornar numa bomba sem rastilho podendo  explodir, e não haver qualquer hipótese para a cura ou tratamento. 

É necessário diminuir este risco. Para isso, as pessoas têm de estar sensibilizadas para a necessidade de visitar um médico cardiologista, como visitam o dentista ou oftalmologista. Por vezes, um Electrocardiograma é suficiente para avaliar o risco da pessoa de ter arritmias. Se sentiu palpitações, sensação de desmaio sem motivo, ou uma alteração no seu ritmo cardíaco, faça uma visita ao seu cardiologista e peça-lhe um ECG.

Para melhor o esclarecer, clique nos links abaixo e consulte os guias Bate Bate Coração.